Águas-vivas começam a aparecer no mar de Florianópolis

Brenno Ramos
Brenno Ramos
Tempo de Leitura 3 min
Águas-vivas começam a aparecer no mar de Florianópolis

Desde a primeira semana de dezembro, as águas-vivas estão marcando presença no mar de Florianópolis, conforme relata o professor Alberto Lindner, especialista que monitora esses animais. É crucial estar atento ao entrar na água, uma vez que essas criaturas podem causar ferimentos com sensação de queimadura.

Variedade marinha: Três espécies em destaque

O professor Lindner identificou três espécies presentes no litoral da capital catarinense: a caravela-portuguesa (Physalia physalis), a água-viva-sambaqui (Olindias sambaquiensis) e a água-viva-leite (Chrysaora lactea). As praias do Campeche, no Sul da Ilha de Santa Catarina, e Barra da Lagoa, no Leste da Ilha, são as áreas monitoradas desde dezembro de 2019.

LEIA MAIS: Conheça a música perdida de Bob Marley

Padrão sazonal: A importância do monitoramento

Lindner, responsável pelo laboratório de Biodiversidade Marinha da UFSC, destaca um padrão sazonal no aparecimento desses animais. Os dados revelam uma ocorrência mais frequente de dezembro até o início do outono, enquanto no inverno, os registros são praticamente nulos nessa região.

Ferimentos por águas-vivas: Como agir

As três espécies identificadas em Florianópolis podem causar ferimentos, proporcionando uma sensação de queimadura devido à presença de veneno em microcápsulas nos tentáculos. No entanto, o professor esclarece que esses animais não atacam; são os contatos acidentais a principal causa dos ferimentos. Dessa forma, é essencial ter precaução ao nadar nessas águas, evitando interações inadvertidas com essas criaturas marinhas.

Orientações dos bombeiros: Cuidados e tratamento

O Corpo de Bombeiros Militar oferece orientações valiosas em caso de ferimentos por águas-vivas:

  1. Procure o posto de guarda-vidas mais próximo.
  2. Em caso de ausência de posto de guarda-vidas, utilize vinagre.
  3. Evite água doce, pois pode agravar a situação.
  4. Se não houver vinagre disponível e a queimadura persistir, chame o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193.

Tendências de ferimentos: Uma análise temporal

Vale destacar que, nas temporadas recentes, houve uma diminuição no número de ferimentos por águas-vivas em Santa Catarina, conforme dados dos bombeiros:

  • Temporada 19/20 -> 65.543
  • Temporada 20/21 -> 5.776
  • Temporada 21/22 -> 4.718
  • Temporada 22/23 -> 24.768

Ao aproveitar as belezas naturais de Florianópolis, a atenção às orientações e o cuidado ao entrar no mar são essenciais para garantir uma experiência segura e agradável.

Leia também outras notícias e fique por dentro de tudo que acontece no Brasil e no Mundo.

Compartilhe este artigo